Conheça os Jargões Jornalísticos mais utilizados na Profissão

Junte-se aos mais de 12.342 comunicadores

Inscreva-se em nossa newletter e receba conteúdos exclusivos de comunicação

Ao entrar numa redação jornalística e acompanhar de perto os profissionais mais experientes da área, você pode ficar confuso com tantas palavras novas. Para ajudar o focao jornalista recém formado, iremos apresentar alguns jargões jornalísticos.

Ao entender as gírias dos jornalistas, o novato não fica “boiando” no trabalho, e começa a entender melhor a rotina do ambiente.

Jargões jornalísticos mais populares:

Conheça os jargões jornalísticos mais utilizados na profissão

Artigo:

Texto que traz a opinião e a interpretação do autor sobre um fato. Geralmente é assinado e não reflete necessariamente a opinião da publicação.

Deadline:

Último prazo para que uma edição seja fechada ou que um conteúdo tenha que ser concluído.

É chamada por alguns de “Hora da Morte”, pois se a matéria chegar atrasada não entrará na edição. Esse é o mais utilizado, dentre os jargões jornalísticos.

Furo de reportagem:

O furo de reportagem é a expressão para a informação publicada em um veículo antes de todos os demais. Mas a que precisa de muita atenção, pois o furo até pode ser seu, mas se apurado da forma incorreta, pode gerar processos para você também.

Lide ou Lead:

Abertura de um texto jornalístico.

Pode apresentar sucintamente o assunto, destacar o fato principal ou criar um clima para atrair o leitor ao texto.

O lead tradicional responde a seis questões básicas, de acordo com a ordem de importância do fato.

Suíte:

Do francês suíte, isto é: série, sequência de um conteúdo já escrito, porém que teve desdobramento, atualização.

Nariz-de-Cera:

Introdução vaga, sem necessidade em uma matéria, pois sem ela a matéria não perde informação. O famoso “encher linguiça”.

Saiba mais jargões jornalísticos que você poderá utilizar:

Barriga:

Matéria com informações falsas (Fake News) ou erradas.

É usada também a expressão “Comer Barriga” quando o veículo não noticia fato importante que outros publicaram.

Editorial:

É a opinião da empresa que publica o periódico sobre temas relevantes. Não é assinado.

Matéria Fria ou Matéria de Gaveta:

Matéria que é independente de sua atualidade para ser publicada. Não requer publicação imediata e serve para cobrir lacunas dentro do veículo.

Matéria Leve:

Parecido com matéria de gaveta, com assuntos atuais, com o diferencial de que tem início e término para acontecer, como um evento por exemplo.

Matéria Quente:

É aquela que contém informações inéditas e que requer publicação imediata.

Off:

Declaração dada sob o compromisso de não revelar a fonte. No entanto, não há credibilidade na matéria, já que o entrevistado não se expõe.

Procure entender quais os direitos da sua fonte para evitar processos, e como trabalhar com a Lei das 3 fontes para ter resultado mais correto nas matérias: Como fazer uma entrevista Jornalística.

Chamada:

Pequeno texto com lead usado na primeira página para chamar a atenção do leitor para determinado material.

Chapéu ou Retranca:

Uma ou duas palavras usadas para definir o assunto da matéria. É usada sobre o título do texto, no cabeçalho da pauta.

Saber fazer uma pauta de A a Z é essencial para definir seus conteúdos escritos.

Crônica:

Texto que registra uma observação ou impressão sobre fatos cotidianos.

Pode narrar fatos reais em forma de ficção, utilizando gírias, sarcasmo ou sátira, pois é uma expressão subjetiva.

Se quiser aprender a fazer uma Redação Jornalística e entender todos os pontos de um artigo, notícia, reportagem, crônica e etc, clique aqui: Como fazer uma Redação Jornalística corretamente.

Declaração:

Texto ou opinião oficial expressa verbalmente por entrevistado.

Busque saber entrevistar antes, para não passar vergonha :/

Enquete:

Pequenas entrevistas para levantar a opinião da comunidade.

Intertítulo ou Entretítulo:

Pequenos títulos colocados no meio do texto, usado para tornar o texto menos denso.

Legenda:

Texto breve colocado ao lado, abaixo ou dentro de foto ou ilustração, que acrescenta informações à imagem.

Manchete:

Pode ser tanto o título principal, em letras grandes, no alto da primeira página de um jornal, indicando o fato de maior importância entre as notícias, ou o título de maior destaque no alto de cada página.

Nota:

Pequena notícia (exceto na primeira página do jornal, em que é dado o nome de Chamada).

Olho:

Frase destacada sob o título ou no conjunto da página. Sempre usada entre aspas (“ ”), por se tratar de parte da fala de alguém.

On:

Declaração sem impedimentos de revelar a fonte, que dá credibilidade à matéria. É importante apresente em torno de três fontes distintas para que o leitor crie sua opinião pessoal.

Conhecer esses jargões ajudará muito no dia a dia, ainda mais quando você conhece a importancia de não só falar os termos mas sim de saber fazer corretamente cada um, como um lead (lide), on, nota, manchete, título, retranca, matéria quente, fria… e muitos outros.

Por conta disso conheça o nosso treinamento detalhado e do zero com os assuntos mais pedidos nas vagas de trabalho ou estágio, que são base na rotina do jornalista.

De forma orientada e baseada nas exigências e práticas das empresas de comunicação que estão contratando. Como Fazer uma Notícia/Reportagem de Sucesso e Técnicas de Entrevista do jeito que não te contaram…

Compartilhar:

18 respostas

  1. Bom dia Fernanda,

    Tenho uma pergunta pontual.

    O que significa DROPS na linguagem jornalística?

    Desde já agradeço a ajuda.

    sds.

    VELOSO

    1. Olá José. DROPS é o termo usado para notas rápidas e curtas. Lembrando que nota não é uma notícia, e sim outro formato de texto jornalístico.

      Espero ter ajudado, um forte abraço e até as próximas pautas.

        1. José, “Drops” não é um jargão muito usado, e como só trabalhamos com a massa não falamos de coisas pouco usadas, para explorar melhor o espaço, pois o que não falta é jargão e colocar todos em um artigo, não vale a pena.

          O aluno não vai guardar tudo que lê (isso é até estratégia didática), até porque não vai usar (só se guarda o que se pratica), além de deixar o conteúdo enorme (e não sei se já fez nosso curso, mas em web o tamanho é crucial), por isso trabalhamos com prioridades.

          Lembre-se que ele sendo muito usado no seu nicho, no seu meio, não quer dizer que é usado pela massa da comunicação. Isso vai ocorrer com um ou outro.

          Tá bem? Espero que tenha entendido a nossa didática. Sempre que precisar de ajuda, entre em contato conosco pela nossas mídias.

          Giulia, social media
          Academia do Jornalista.

    1. Olá, vamos aos fatos. Não está escrito no artigo que são sinônimos, apenas se encontra entre parênteses relacionado a informações falsas (a expressão que antecede o parênteses).

      Levando a consideração que “barriga” ocorre quando o jornalista divulga uma informação equivocada, atrelamos a fake news, como exemplo, complemento. Sabe quando estamos explicando uma situação e fazemos adendos? Então! Em artigos essa caracterização textual é bem usual. Já fica a dica, caso tenha blog ou trabalhe com Web.

      Sugiro que para que sua interpretação atenda o que foi escrito, uma releitura. Infelizmente na correria do dia a dia acabamos lendo o que não está escrito, se baseando em um background já existente do assunto. Isso até ocasiona bastante fake news.

      Até próximas pautas, sempre bom poder responder as dúvidas dos alunos.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Cursos Gratuitos

Previous
Next

Posts Relacionados